Companhias planejam expansão no Brasil

Tjahny Roland Bercx, presidente da LeasePlan no Brasil: empresa fará o leasing operacional do Banco Volkswagen, no país

Duas das maiores empresas de gestão de frota de veículos no país planejam ao menos dobrar a quantidade de carros em até cinco anos. É nesse prazo que a holandesa LeasePlan quer ter 20 mil carros no país ante atuais 7 mil, elevando seus ativos no mercado brasileiro para R$ 1 bilhão. A Arval, controlada pelo banco europeu BNP Paribas, quer aplicar R$ 823 milhões para ter 25 mil automóveis até o fim de 2013. Ela deverá fechar 2011 com 10 mil veículos.

"Tivemos muitos problemas no Brasil, em meados de 2008, como má administração. Crescemos muito rápido e esse crescimento não foi planejado. Perguntávamos como o Brasil, com tantas oportunidades, não dá certo", afirma o presidente da LeasePlan no Brasil, o holandês Tjahny Roland Bercx, ex-campeão de boxe na categoria peso pesado em seu país.

O executivo, convocado há dois anos para comandar a filial brasileira, diz que quando assumiu o posto, em 2009, a frota tinha 13 mil veículos. Como parte da reestruturação, esse número caiu quase pela metade, assim como a quantidade de clientes.

Depois que assumiu o cargo, Bercx visitou pessoalmente os principais clientes e reconquistou alguns que saíram da carteira da empresa durante a sua reestruturação. Nesse processo, o brasileiro Fábio Costa, que passou por diversas subsidiárias da LeasePlan no mundo, foi convocado para ser vice-presidente financeiro.

Parte do crescimento esperado pela empresa no país virá por meio de uma parceria com o Banco Volkswagen. A LeasePlan será o braço operacional de leasing de carros dessa instituição, revela Bercx. Segundo o executivo, há conversações com mais duas montadoras instaladas no país.

A parceria inclui a gestão de frotas de veículos das empresas que fizerem leasing com o Banco Volks e deverá ter início em setembro. No primeiro ano de parceria, a estimativa é a de comercializar 10 mil veículos por meio dessa modalidade financeira. O Banco Volkswagen, no Brasil, foi procurado, mas informou que não se pronunciaria a respeito neste momento.

A alemã Volkswagen Bank, subsidiária da Volkswagen Financial Services, tem 50% do capital da LeasePlan. A outra metade pertence à Fleet Investments, do banqueiro alemão F. Von Metzler. O faturamento no país foi de R$ 104 milhões em 2010. Para 2011, a projeção alcança os R$ 130 milhões.

A Arval, de origem francesa, registrou no ano passado crescimento de 80% no faturamento da filial brasileira, não revelado. Para 2011, o diretor comercial da empresa, Cleber Kouyomdjian, estima expansão de 25%. Segundo ele, as altas taxas de crescimento são resultado de uma mudança no perfil de relacionamento com os clientes, que agora preferem contratos de longo prazo, como de 36 meses. Antes, a preferência era por parcerias de 12 meses e pela obtenção de algum ganho com a revenda do automóvel arrendado.

"O mercado está percebendo a importância da terceirização de frota", afirma Kouyomdjian. O executivo projeta crescimento anual entre 20% e 27% no faturamento da subsidiária brasileira nos próximos três anos. Ele afirma que cerca de 15% da frota corporativa do país, composta por 172 mil veículos, é terceirizada. "É um potencial de crescimento muito grande".

Veículo: Valor - 26/05/2011