Itaú muda comando do varejo: sai Carbone e entra Bonomi

O Itaú Unibanco mudou na segunda-feira o comando de toda a sua operação de varejo. Menos de três anos após ter sido nomeado para assumir o comando de todas as operações de varejo, Geraldo Carbone, vice-presidente sênior, deixa a instituição junto com o diretor executivo João Jacó Hazarabedian. Carbone foi presidente do BankBoston, adquirido pelo Itaú em 2006. No lugar dele entra Marco Bonomi, que até então ocupava a vice-presidência de crédito imobiliário e financiamento de veículos do Itaú. A carteira de crédito imobiliário continuará sob a responsabilidade de Bonomi, e a Itaucred Veículos passará a ficar aos cuidados do sócio Luiz Otávio Matias, que de diretor foi provido a vice-presidente.

Em carta enviada a executivos na segunda-feira, 14 de fevereiro, o presidente Roberto Setubal afirma que, concluída a integração operacional, seria preciso pensar nos desafios que o banco terá pela frente, especialmente na área de pessoas físicas. Ele acrescenta ainda que é necessário repensar a forma de atuação do Itaú para que a instituição se adapte às mudanças que houve no Brasil nesses últimos anos, destacando que "não há tempo a perder pois os nossos concorrentes estão avançando também".

Bonomi assumirá as responsabilidades pela área de pessoas físicas com o desafio de tornar a operação "o melhor e mais moderno banco para pessoas físicas do planeta", disse Setubal. "Temos que sonhar grande!" No mesmo comunicado, ele lista algumas prioridades: (1) performance sustentável; (2) criar o máximo de valor para o banco através da melhor oferta do mercado para o cliente; (3) melhorar o índice de eficiência do banco, que significa também praticar meritocracia totalmente baseada no "Nosso Jeito de Fazer" - um conjunto de dez princípios que norteia o trabalho na organização, lançado no ano passado. A divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2010 do Itaú Unibanco está marcada para o dia 22.

A saída de Carbone e Hazarabedian foi feita em comum acordo, segundo a carta enviada por Setubal. "Considero-os amigos, relaciono-me com eles fora do banco, e pretendo continuar desfrutando dessas amizades", escreveu o presidente. Setubal deixa transparecer uma proximidade maior com Hazarabedian. "Confesso que não foi fácil chegar a essa decisão, afinal de contas o João trabalha próximo de mim há 30 anos."

Veículo: Valor - 16/02/2011