Bancos podem subir juro, admite diretor do BC

BRASÍLIA - O aumento no aporte de capital exigido pela autoridade monetária para empréstimos de longo prazo dos bancos a pessoas físicas passa a valer a partir de segunda-feira, dia 6. Os bancos só deverão integralizar a partir de 1 de julho de 2011, explicou o BC, ao anunciar medidas para frear o crédito.

“O foco é o crédito ao consumidor”, disse o diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes. Ele admitiu que, com a redução da liquidez, “pode haver” um impacto de subida no juro bancário.

Ele explicou que, na prática, o BC está exigindo que, para cada R$ 100 emprestados a pessoas físicas a prazo superior a 24 meses, o banco terá que colocar R$ 16,5 em capital próprio.

A medida vale para qualquer tipo de empréstimo bancário ao consumidor. Se for financiamento ou leasing de veículos, a exigência de mais capital obedecerá a condicionantes, como, por exemplo, o valor da entrada pelo consumidor.

Ficam de fora operações de crédito à compra de veículos usados em transporte, como caminhões.  

Além de aumento de compulsório sobre depósitos a prazo e à vista, o BC subiu de R$ 60 mil para R$ 70 mil a cobertura do seguro de depósitos do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) ao cliente, em caso de quebra de bancos.
O BC também está desmontando medidas adotadas durante a crise de liquidez, como a emissão de depósito a prazo com garantias especiais do FGC. Tais emissões serão reduzidas, ao ritmo de 20% ao ano, até terminar em janeiro de 2016.

Veículo: Valor - 03/12/2010