SAP e IBM aproveitam briga de Oracle e HP

Big Blue foca clientes das concorrentes com ofertas agressivas e SAP prepara lançamentos de aplicações em tempo real

Enquanto a novela de Mark Hurd e a contribuição paralela de Larry Ellison têm produzido cenas interessantes, para o caixa dos CIOs o que tem produzido ganhos significantes são as caixas registradoras de SAP e IBM. As companhias miram os clientes de Oracle e HP com produtos mais poderosos e ofertas agressivas para tirar proveito da troca de farpas e brigas por questões legais entre as duas fabricantes.
 
Para HP e Oracle, a briga pública das empresas pode afetar a imagem da aliança de longo prazo entre as companhias, tudo por conta da dificuldade de resolver a movimentação entre a saída de Hurd da HP e a chegada dele na Oracle. A HP entrou com ação judicial contestando a ida de Hurd para uma empresa que se tornou uma de suas grandes concorrentes.
 
Mas, enquanto perdem tempo com essa batalha, ambas as companhias estão vulneráveis a criar certo clima de incertezas para seus clientes, situação que IBM e SAP estão felizes em aproveitar.
 
Atenta a esse desgaste e abrindo a porta para uma reconciliação, a CEO interina da HP, Cathie Lesjak, afirmou semana passada que a aliança continua firme e que as duas companhias vão se reconciliar porque, "no final das contas, o negócio vai prevalecer".
 
Mas Ellison parece não estar tão aberto à negociação. "Oracle tem visto há muito tempo a HP como importante parceira. Mas com essa ação impetrada contra Oracle e Mark Hurd, o conselho da HP age sem pensar na aliança, em nossos clientes conjuntos, nos acionistas deles e também em seus funcionários. O conselho da HP torna a cooperação entre as duas companhias virtualmente impossível."
 
Agora, diante desta postura, se você fosse um CIO considerando ampliar um grande acordo de missão crítica com base na parceria HP-Oracle, como agiria? Entenderia a postura de Ellison como uma brincadeira? Ou, diante do episódio, consideraria ceder aos acordos agressivos propostos por IBM e SAP? Elas tentam capitalizar ao máximo com este momento. Veja o que cada uma tem feito para ganhar espaço:
 
IBM: "a IBM anuncia um novo programa financeiro, incluindo crédito da própria companhia para equipamentos usados, termos de leasing atrativos e sem pagamento até 2011, para clientes com crédito aprovado nos Estados Unidos e que queiram migrar dos sistemas Oracle-Sun e HP para a nova família Power da IBM", informou a Big Blue em press release na última semana.
 
Além de ser algo agressivo e que mexe com a cabeça dos CIOS por envolver questões financeiras, o anúncio da IBM focou o momento vivido por Oracle e HP:
 
"Oferecemos aos clientes HP e Oracle-Sun uma forma de trocar equipamentos antigos por créditos para os novos Power Systems e ganhar uma grande programa de leasing para ajudar a gerenciar os custos", informou Dan Ransdell, gerente-geral da IBM Global Financing na América do Norte. "Ouvimos de clientes que eles estão preocupados com as incertezas em roadmaps e crescentes taxas de manutenção de outros fabricantes. Eles podem facilmente migrar para os sistemas IBM com um programa de leasing e protegerem-se da obsolescência tecnológica."
 
Além disso, o texto mostra o desejo de aproveitar as brechas deixadas com as rusgas entre Oracle e HP:
 
"Enquanto as duas empresas brigam publicamente pelo futuro de Mark Hurd, vamos atrás dos clientes deles", aponta uma nota do time de relações públicas da IBM. "Nesta economia, os clientes buscam investimentos estáveis em TI e eles não ouvem sinais claros de Oracle e HP em relação ao que esperar das estratégias com aquisições e mudanças na liderança."
 
Embora eu acredite que os CIOs não montem suas estratégias com base em informações do time de relações públicas de um fornecedor, podemos estar certos de que o time de vendas da IBM repete o mesmo discurso.
 
SAP: no meio da última semana, a SAP anunciou sua intenção de promover um evento global no dia 14 de setembro "para lançar uma visão para business analytics diante de uma nova abordagem para a indústria e com uma família de soluções".
 
A apresentação online terá o co-CEO Bill McDermott e CIOs de seis clientes em um debate sobre "a importância de análises nos negócios atualmente."
 
E McDermott entende que com a recente briga entre Oracle e SAP este seja o momento ideal para a companhia se direcionar de forma mais agressiva contra a Oracle no mundo das aplicações empresariais, aponta uma entrevista do executivo para o jornal The New York Times.
 
Veja um trecho do artigo:
 
"Isto é lucrativamente positivo para nós", informou em entrevista na quarta-feira (08/09).
 
"O potencial benéfico para SAP, McDermott explica, é que a suíte executiva da Oracle serve como base para os diferentes pacotes que as companhias têm.
 
"Com Hurd, a Oracle leva um executivo que conhece bem o mercado de hardware, pelos anos de HP e NCR. Além disso, o know how estratégico e operacional é crucial para a Oracle, desde a incorporação da Sun no início deste ano.
 
"McDermott diz que a compra da Sun leva a Oracle para o mundo do hardware.
 
"Em contrapartida, avalia, a SAP continuar apostando em seu core."
 
Espera-se que a SAP venha com 15 novas aplicações corporativas focadas em tempo real, diz uma reportagem da Times, assim com ferramentas para auxiliarem desenvolvedores na criação de aplicativos móveis em complemento à agressiva posição que a SAP assumiu neste segmento após a compra da Sybase.
 
Este evento da SAP pode ser encarado também como uma resposta da companhia à uma provocação feita por Ellison no início desta ano, quando o CEO da Oracle afirmou que a companhia ultrapassaria a SAP em aplicações corporativas pela "vasta superioridade".
 
Não podemos esquecer, no entanto, que o Oracle Open World começa em menos de uma semana e será uma plataforma para Ellison responder aos ataques de IBM e SAP.

Veículo: IT Web 14/09/2010