Nova regra para leasing elevará dívida

Varejistas, companhias aéreas e de navegação vão ter que assumir bilhões de dólares de passivos nos seus balanços como resultado de uma reforma radical na contabilidade de arrendamentos proposta por reguladores americanos e internacionais.

As novas regras foram elaboradas apesar da ferrenha oposição de multinacionais, que estão preocupadas com o aumento brutal de suas dívidas e com uma possível instabilidade dos números de suas demonstrações financeiras com a mudança. Algumas empresas temem que cláusulas contratuais de empréstimos bancários sejam rompidas.

Sob as novas regras, os passivos de muitas companhias vão crescer à medida que elas serão forçadas a registrar nos balanços bens alugados como aviões, navios, lojas e até fotocopiadoras. Na média, as mudanças aumentam em 58% o peso da dívida total de uma companhia, de acordo com a auditoria PwCe a Erasmus University.

Contadores afirmam que poucas companhias e investidores estão preparados para a instabilidade que as novas regras trarão para as demonstrações financeiras.
A rara proposta conjunta do Conselho de Normas Internacionais de Contabilidade (Iasb, na sigla em inglês) e o Conselho de Padrões de Contabilidade Financeira (Fasb) também foi criticada por não ter conseguido reduzir a complexidade do assunto.

Veronica Poole, sócia da firma de contabilidade Deloitte acredita que o impacto financeiro da norma proposta pode, sim, afetar cláusulas de dívida. "Muitas companhias, particularmente nestes tempos turbulentos, estão muito próximas dos limites acordados com os bancos", disse.

A contabilidade de arrendamentos, ou leasing, é fonte de discórdia há muitos anos. Críticos, que incluem o presidente do Iasb, Sir David Tweedie, alegam que ela permite que algumas companhias subestimem seus compromissos financeiros mantendo seus arrendamentos fora do balanço.

As regras atuais permitem que alguns arrendamentos sejam classificados como operacionais, nos quais os ativos e passivos ficam fora das demonstrações financeiras. Outros são registrados como arrendamentos financeiros - ou de capital -, que aparecem nos balanços.

Com a nova proposta, Iasb e Fasb dizem estar compromissados em abolir o sistema dual já que o arrendamento operacional mascara a alavancagem financeira.

Em vez disso, os dois apoiam um enfoque unificado no qual os arrendadores registram os ativos com base no direito de uso do bem arrendado. O passivo refletindo pagamentos de aluguel futuros também entram na conta.

Quando uma minuta da proposta foi publicado no ano passado, estavam entre os opositores a Iata, que representa as companhias aéreas, e a Accor, rede de hotelaria francesa, Inditex, dona da espanhola Zara, e Tesco, a rede de supermercados britânica.

As mudanças propostas, que se aplicam a empresas que adotam as normas internacionais de contabilidade (IFRS) e as normas americanas (US Gaap), serão levadas a mais uma consulta pública antes de serem transformadas em regra em 2011.

Wolfgang Laubach, sócia da KPMG, disse que será crucial um tempo de transição adequado para a adaptação das empresas.

Veículo: Valor 18/08/2010