Crédito para automóveis importados avança

O levantamento da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) mostra que o saldo de crédito para financiamento de veículos aumentou 14% em maio, em relação ao mesmo período de 2009. Para atrair consumidores, algumas concessionárias que comercializam veículos importados já parcelam o carro no cartão de crédito. O valor médio gira em torno de R$ 150 mil.

Uma das que aderiram ao parcelamento no cartão foi a Eurobike, que comercializa 6 marcas importadas. O diretor da empresa, Alexandre Gaeta, contou ao DCI que a modalidade de pagamento ainda representa pouco dentro do todo, cerca de 10% das vendas. "Essa modalidade de pagamento tende a crescer no médio prazo."

A empresa firmou uma parceria com a empresa de cartão de crédito American Express e consegue oferecer financiamento com entrada de 20%, 30% ou 50% e saldo dividido em 24 vezes. "A vantagem para o cliente é que o carro não fica alienado", explica.
 
Outro benefício, segundo ele, é que a aprovação do crédito para compra do veículo é muito mais rápida se comparada à de um financiamento, seja por banco ou por financeira. "No caso da nossa parceria o cliente ganha 100 mil milhas para viajar por conta do cartão. Acaba sendo um atrativo."
 
O diretor não descarta firmar mais parcerias com outras bandeiras de crédito. "Quanto mais bandeiras conseguirmos, além de ser um diferencial, mais pessoas podem receber as vantagens de um financiamento deste porte", ressalta o diretor.
 
Hoje, 60% dos carros vendidos na Eurobike são financiados. De acordo com Gaeta, a média de financiamento está na faixa de 40% a 60 % do valor do bem. "O tempo médio de endividamento varia de 24 a 36 meses."
 
Na sua visão, o mercado de carros importados está aquecido. "Existe muito espaço para crescer ainda. Se as taxas ficarem mais baratas, similares às do mercado europeu e norte-americano, podemos crescer mais ainda." Gaeta informa que a taxa média varia de 1,2% a 1,5% ao mês.
 
Além dos cartões, as montadoras também fazem financiamento. Outra forma compra, de acordo com Gaeta, é a troca com o carro nacional como entrada. "O valor médio do carro é de R$ 80 mil. O restante é financiado."
 
Segundo ele, as 17 filiais espalhadas entre São Paulo (capital e interior) e Porto Alegre vendem, na média, 250 carros cujo valor médio ultrapassa os R$ 150 mil. "O interior paulista e o mercado do sul são os que mais crescem."
 
Financiamento
 
Levantamento da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) mostra que as carteiras de Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e leasing para pessoas físicas chegaram a R$ 166,6 bilhões, valor 14% superior ao registrado no mesmo período de 2009.
 
Desse total, R$ 108,3 bilhões correspondem ao CDC, que teve um incremento de 32,4% em doze meses (R$ 81,8 bilhões) e R$ 58,3 bilhões equivalem à carteira de leasing, que apresentou uma retração de 9,5% em doze meses (R$ 64,4 bilhões).
 
O saldo das carteiras de CDC e leasing para pessoas físicas corresponde a 5% do Produto Interno Bruto (PIB), 11,1% do total de crédito disponibilizado pelo Sistema Financeiro Nacional e a 33,2% do total do crédito destinado às pessoas físicas.
 
O presidente da Anef, Décio Carbonari de Almeida, destaca que a taxa média de juros praticada pelas associadas à Anef fechou maio em 1,43% ao mês (18,58% ao ano); comparada à do mesmo período do ano passado apresentou queda, pois a taxa estava em 1,55% ao mês (20,27% ao ano). Segundo Almeida, o objetivo de 2010 é obter uma elevação entre 10% e 15% em relação ao saldo das carteiras de CDC e leasing em 2009, atingindo entre R$ 173 bilhões e R$ 180 bilhões.
 
Para o presidente, o mercado vem se comportando dentro de uma tendência de crescimento, acompanhando a demanda da indústria automobilística. "Dentro deste contexto, o nosso segmento contribui com o escoamento das vendas financiadas de automóveis, oferecendo crédito e condições para o consumidor."
 
Caminhões
 
Levantamento da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) projeta que até o fim do ano sejam emplacados 152.714 mil caminhões, 39,92% mais que em 2009.

Veículo: DCI 07/07/2010