Inadimplência diminui com crédito mais restrito para veículos, diz Anef

O crédito mais restrito para a compra de veículos com juros ainda baixos, mas com entrada de, em média, 50% do valor do bem, reduziu a inadimplência para em torno de 2%, segundo Luiz Montenegro, vice-presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef). "A inadimplência, que no geral está em 5,6% para o setor, fica um pouco acima de 2% para essa nova safra e ocorre por causa dessa restrição ao crédito", explicou ao jornal O Estado de S. Paulo.

A maioria das montadoras, com bancos próprios, conseguiu fazer campanhas de financiamento com juros subsidiados justamente devido à entrada em torno da metade do valor do veículo, afirmou o vice-presidente da Anef. A restrição ao crédito deve fazer com que a carteira total para a aquisição de automóveis fique estável em R$ 256 bilhões entre 2012 e 2013, segundo Montenegro, e crescer um pouco, para cerca de R$ 260 bilhões, em 2014.

Montenegro afirmou ainda que "há muita insegurança jurídica" para destravar o leasing porque os motivos que fizeram com que o instrumento de financiamento fosse reduzido ainda persistem: há muito questionamento sobre o recolhimento do Imposto sobre Serviços (ISS), o pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e de multas quando o proprietário para de pagar as parcelas do veículo. Contudo, a expectativa do setor é de que uma resolução seja publicada ainda esta semana disciplinando ao menos a questão do pagamento do IPVA e das multas.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo, edição de 21/10/2013