BMW ainda passa ao largo da crise

Os números financeiros da alemã BMW podem parecer ruins, mas a empresa está fundamentalmente em boa forma e bem preparada para o duro ano que terá pela frente. Essa foi a mensagem básica do presidente executivo Norbert Reithofer respondendo a perguntas de jornalistas esta semana, logo depois de o grupo anunciar um prejuízo operacional no quarto trimestre de US$ 940 milhões, sobre vendas de US$ 16,8 bilhões.

De fato, a BMW ainda conseguiu um lucro operacional de US$ 538 milhões no quarto trimestre, descontando baixas contábeis e itens não reincidentes. A maior baixa foi de US$ 1 bilhão, que a BMW reservou para cobrir reduções no valor de automóveis cedidos em leasing a clientes, especialmente nos EUA. Além disso, a BMW começou a se preparar para uma recessão no início do ano passado, reduzindo sua força de trabalho em 13 mil pessoas, para cerca de 100 mil, enquanto quase duplicava os ativos líquidos no balanço da companhia, para US$ 10,6 bilhões. "Tomamos medidas para absorver os efeitos da crise econômica muito antes de outras fabricantes do setor", disse Reithofer.
 
O risco para a BMW é que o mercado automobilístico global despenque ainda mais que os 10% a 20% que a companhia espera. Não há muito mais onde cortar. "Por enquanto, a BMW conseguiu enfrentar a crise sem sacrificar nada de suas forças", diz Christoph Stürmer, analista da empresa de observação do mercado Global Insight. "Mas, se a crise persistir, algo terá de ser sacrificado" A BMW provavelmente não poderá cortar engenheiros e designers sem colocar em risco produtos futuros, diz Stürmer. E seria arriscado a companhia pressionar demais seus fornecedores para fazerem economia.
 
Reithofer continuou a soar otimista sobre as perspectivas de longo prazo da BMW. Segundo ele, o investimento da companhia na tecnologia "Dinâmica Eficiente" lhe proporciona uma das frotas de mais baixo consumo de combustível no setor e ajuda a atender às preocupações de compradores com o aquecimento global.
 
"No longo prazo, o mercado automobilístico continuará a crescer", disse Reithofer. "A queda atual nas vendas no segmento premium não é medida do futuro." Reithofer recuou, contudo, dos planos de aumentar o volume da BMW de cerca de 1,4 milhão de veículos em 2008 para 1,8 milhão em 2009. Esses números incluem as marcas Mini e Rolls-Royce, bem como as motocicletas BMW. O número de veículos vendidos ficará pelo menos 100 mil abaixo da previsão anterior.
 
Mas os executivos da BMW admitem que qualquer previsão é questionável. Ninguém realmente sabe até onde poderá chegar a retração no setor. "A grande questão é quanto tempo a crise durará", disse o diretor financeiro da empresa, Friedrich Eichiner. 

Veículo: O Estado de São Paulo