Dasa deve investir US$ 200 milhões em aquisições

A Diagnósticos da América (Dasa) planeja investir cerca de US$ 200 milhões nos próximos três ou quatro anos em aquisições. "No mercado, há cerca de 40 laboratórios interessantes para ser adquiridos e vamos usar os recursos que temos fora do país", disse Marcelo Noll Barboza, presidente da companhia.

Os recursos a serem usados nas novas compras serão provenientes da captação de US$ 250 milhões feita pela Dasa, no ano passado, nos Estados Unidos. Deste montante, a companhia usou em 2008 cerca de US$ 57 milhões para compra de dois laboratórios, o Maximagem e a Cedic/Cedilab. Com isso, a companhia possui ainda um caixa de aproximadamente US$ 200 milhões.
 
Porém, esses recursos estão nos Estados Unidos, aplicados em títulos do tesouro americano, sem proteção cambial. Já os juros dessa operação têm proteção contra oscilação do dólar.
 
A variação cambial dos US$ 57 milhões que a Dasa usou para comprar os dois laboratórios refletiu no resultado da companhia, que fechou o quarto trimestre do ano passado com prejuízo de R$ 16,4 milhões. As despesas financeiras líquidas somaram R$ 19,7 milhões, contra R$ 10,9 milhões do mesmo período de 2007. No terceiro trimestre, período anterior à crise, a
 
Dasa também havia registrado prejuízo, de R$ 15,3 milhões, porque também contabilizou a oscilação do câmbio.
 
A Dasa possui um endividamento em moeda americana de US$ 98 milhões. Deste valor, US$ 57 milhões foram revertidos para compras de laboratórios e os outros US$ 41 milhoes são contratos de leasingde equipamentos médicos. "Essa operação de US$ 250 milhões realmente está sem proteção. Mas os juros dessa dívida têm "hedge" [proteção] e o respectivo pagamento vence entre cinco e dez anos. Acreditamos que essa oscilação do dólar vai diminuir e nossas despesas serão outras", explicou.
 
O prejuízo da Dasa, dona do laboratório Delboni entre outros, também foi prejudicado pelas despesas operacionais, que atingiram R$ 112 milhões no quarto trimestre. De acordo com o executivo, as novas regras contábeis afetaram o balanço. Até então, gastos com novos empreendimentos podiam ser registrados como investimento e agora precisam ser notificados como despesa pré-operacional.
 
Desconsiderando o impacto da variação cambial e das despesas operacionais, o desempenho da Dasa no quarto trimestre foi positivo. A receita operacional bruta somou R$ 321 milhões, um crescimento de 28,4% em relação ao mesmo período de 2007. No terceiro trimestre de 2008, a receita foi de R$ 334 milhões. Normalmente, há uma queda entre o terceiro e o quarto trimestres porque há uma redução no volume de exames em dezembro por causa do período de férias.
 
Um dos fatores que contribuíram para o aumento da receita foram os serviços prestados para hospitais e postos públicos. O faturamento dessa divisão teve crescimento de 41,6% no quarto trimestre em relação a igual trimestre de 2007. Um dos focos da Dasa em 2009 é o segmento de exames de imagem para o governo.

Veículo: Valor Economico