Escolha a forma de pagar

Leasing tem parcelas mais baixas, mas há desvantagens ante o CDC

Como a redução da alíquota do IPI será mantida ao menos até o dia 31 de março, o momento é bom para quem pensa em comprar um carro novo. Se a compra for a prazo, um dos aspectos a considerar é a modalidade de parcelamento. As principais são Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e leasing. Muita gente compra sem saber a diferença.
 
“As parcelas do leasing são menores porque suas taxas de juros são mais baixas e não há incidência de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF)”, afirma o vice-presidente da Anefac, a associação dos executivos de finanças, Miguel de Oliveira.
 
Ele conta que a principal desvantagem desse tipo de operação é que o carro fica em nome da instituição financeira, o que torna sua revenda mais difícil. “E em caso de inadimplência, esse fator também facilita a apreensão do bem pela instituição”, explica Oliveira.
 
Ele ressalta que pelo leasing, a instituição não é obrigada a abater juros de prestações pagas antecipadamente. No CDC esse desconto é garantido no Código de Defesa do Consumidor.
 
Consórcio ganha fôlego
 
Por causa da crise financeira houve aumento de venda de cotas, segundo o presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (Abac), Luiz Fernando Savian. “Com crediário mais seletivo, altas taxas de juros e conscientização de que se deve poupar antes de comprar, o consórcio se transformou numa boa opção.”
 
De acordo com Savian, entre julho e setembro do ano passado foram vendidas 27.585 cotas em média por mês. De outubro a dezembro, o número mensal passou a 28.406. “Ainda não fechamos o primeiro trimestre deste ano, mas estamos otimistas. Só o aumento de janeiro ante o mesmo mês de 2008 foi de 24%”, afirma o executivo.
 
 
Veículo: Jornal da Tarde