Depois da disparada de 46%, leasing prevê estabilidade

O setor de veículos foi responsável por 88% da carteira de leasing nacional, que alcançou um estoque total de R$ 106,67 bilhões em 2008, um crescimento de 67,2% em relação a 2007, segundo informações da Associação Brasileira das Empresas de Leasing (Abel). Em novos negócios, foram acumulados R$ 79,63 bilhões no ano passado, alta de 46,27% em relação ao ano anterior.

Segundo o presidente da entidade, Rafael Cardoso, a expectativa para 2009 é manter os mesmos volumes registrados no ano passado. "É uma projeção conservadora, mas já seria uma vitória." Ele explica que o primeiro trimestre é sazonalmente pior para as empresas do setor.
 
Por outro lado, mesmo com o aumento de rigor na concessão de crédito e das taxas de juros nos grandes bancos de varejo, e outros de menor porte saindo deste mercado, em janeiro, os bancos de montadoras já veem queda nas taxas e aumento nas concessões, porém acompanhados de um aumento da inadimplência.
 
Segundo o supervisor de Marketing e Desenvolvimento de Negócios do Banco Volkswagen, Marcos Ferreira, ainda não dá para dizer que esse retorno gradual do crédito se configura como uma tendência. "Ainda não fechamos números, mas percebemos um aumento da inadimplência, que, se tiver uma forte alta, pode frear esse movimento." Segundo ele, esse já é um reflexo de créditos mais longos oferecidos no ano passado, tendo reflexo agora, depois das demissões causadas pela crise.
 
O presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), Luís Montenegro, afirma que os números ainda não são preocupantes. "Se o nível de desemprego se estabilizar e a curva da inadimplência melhorar, vai haver um reflexo sobre os juros, que já estão caindo", diz o executivo. As taxas de juros, que chegaram a ser superiores a 2% ao mês nos bancos de varejo, voltaram a cair e hoje estão aproximadamente em 1,5%. Ferreira diz ainda que, até o dia 9 de fevereiro, as vendas já haviam sido 15% superiores às do mesmo período de janeiro. "Já houve uma melhora em relação a dezembro, mas ainda aquém de janeiro de 2008. As taxas acabam sendo um inibidor. A redução já é um apoio e foi seguida de um aumento de concessões".
 
O banco Gmac, por sua vez, afirma, por meio de sua assessoria, não ter ainda sentido diferença no crédito concedido depois do agravamento da crise.
 
Depois de registrar número recorde em 2008, a Associação Brasileira das Empresas de Leasing (Abel) projeta ano de estagnação. Segundo o presidente da entidade, Rafael Cardoso, "será uma vitória" se a carteira fechar, em dezembro de 2009, com os mesmos R$ 106,67 bilhões de saldo registrado ao final do ano passado.
 
Representantes de bancos de montadoras já veem uma melhora no financiamento de veículos neste ano, mas acham cedo para determinar se esta é uma tendência que terá continuidade no decorrer do ano.
 
  
Veículo: DCI