Banco PanAmericano demite 370 e terceiriza 867 funcionários

O Banco PanAmericano, braço financeiro do Grupo Silvio Santos, demitiu 370 funcionários e decidiu terceirizar outros 867 empregados. A maioria dos cortes se deu na área comercial da financeira, que tem forte atuação nos segmentos de crédito pessoal e no financiamento ao consumo nas classes C, D e E. Ao todo, o banco empregava 3.750 funcionários no país.Segundo o PanAmericano, a iniciativa faz parte de um plano de redução de 30% dos custos do banco para enfrentar a diminuição na demanda por crédito no país. O banco decidiu também diversificar seu foco de atuação e passar a trabalhar com pessoa jurídica. A ideia é começar a operar linhas de crédito para pequenas e médias empresas, segmentos que têm dificuldades para rolar dívida.Entre os demitidos estão agentes de crédito, uma espécie de vendedor de empréstimos que não é considerado bancário. O Sindicato dos Bancários de São Paulo (ligado à CUT) afirma que contabilizou apenas dois desligamentos desde novembro no PanAmericano."Diante do novo ambiente econômico, o Banco PanAmericano promoveu um corte de custos de cerca de 30%. Foram demitidos 370 empregados e terceirizados outros 867, que passaram a gerenciar as promotoras (lojas terceirizadas)", afirmou o banco em nota.Para enfrentar a crise, o banco afirma que passou a oferecer com todas as linhas de financiamento uma espécie de seguro-desemprego. "Se ficar desempregado, são quitadas as parcelas por seis meses", disse.

 
Foco no consumo
Desde 1990, o PanAmericano passou a atuar como banco comercial focado no financiamento ao consumo. Trabalha também com crédito consignado, cartões, seguros, leasing e consórcio. Até a reestruturação, o PanAmericano tinha 203 pontos exclusivos de venda e outros 28 mil parceiros comerciais, entre eles, concessionárias de veículos e grandes redes de varejo.No fim de 2007, o PanAmericano fez sua abertura de capital na Bovespa. À época, conseguiu captar R$ 680 milhões.Com a crise de crédito, o PanAmericano passou a vender carteiras de crédito para melhorar a liquidez. Em outubro do ano passado, o banco levantou R$ 1,2 bilhão com a cessão de crédito. 
 
A notícia também foi veiculada nos jornais Folha de S. Paulo, BOL Notícias, O Estado de S. Paulo.

Veículo: Correio Web