Anef prevê mais crédito no segundo trimestre

As operações de leasing e CDC (crédito direto ao consumidor) para a aquisição de veículos cresceu 27,1% em novembro, se comparado ao mesmo período de 2007, segundo levantamento da Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras). Infelizmente a associação só divulga dados de dois meses atrás – em vez do mês passado.

 As carteiras somaram R$ 136,8 bilhões – o CDC com R$ 81 bilhões e o leasing com R$ 55,8 bilhões. Em relação a outubro, houve uma leve baixa, de 0,87%, resultado devido ao crescimento de só 0,2% do CDC e do decréscimo de 1,6% dos negócios em leasing. As duas carteiras representam 34,9% do total de crédito concedido no mercado para pessoas físicas.
 
"A escassez de recursos para o financiamento e leasing de bens móveis, identificada a partir da segunda quinzena de setembro, deveu-se muito mais a questões de confiança do que propriamente de liquidez do sistema financeiro", afirma Luiz Montenegro, presidente da Anef. "Acreditamos que, em algum momento em 2009 e provavelmente a partir do segundo trimestre, os recursos financeiros passem a fluir de maneira mais regular para o crédito, embora ainda seja cedo para se projetar a performance de 2009 para o setor."
 
As taxas de juros no período apresentaram queda em relação a outubro, com média de 1,82% ao mês e 24,16% ao ano. No mês anterior as taxas médias praticadas pelos associados da Anef ficaram em 1,86% ao mês e 24,75% ao ano. Se comparados a novembro de 2007, os juros aumentaram – o período registrou taxas de 1,49% ao mês e de 19,42% ao ano.
 
Os planos de venda a prazo oferecidos pelas instituições financeiras também caíram em comparação a novembro de 2007. Os planos máximos reduziram de 84 meses para 60 meses e os planos médios de 42 meses para 39 meses.
 
A inadimplência acima de 90 dias registrada em novembro apresentou sensível elevação de um ponto percentual em comparação ao mesmo período do ano passado, saltando de 3,1% para 4,1% da carteira. Se comparada a outubro de 2008, também houve aumento, de 3,93% para os já citados 4,1%.

Veículo: Gazeta do Rio Pardo