Leasing sofre com crise, mas cresce 100% no ano

O agravamento da crise internacional no fim do ano passado e a queda das vendas de automóveis causaram a primeira retração das operações de leasing.

Entre outubro e novembro, o crescimento foi próximo de zero - uma desaceleração significativa em comparação com o avanço médio mensal de quase 6% entre o fim de 2007 e setembro do ano passado. Isso significa que o volume de concessão nos dois meses mais críticos da crise foi bastante baixo.
 
Os números de dezembro ainda não foram divulgados pelo Banco Central (BC), mas Rafael Cardoso, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Leasing (Abel), relata que a pequena melhora da venda de automóveis, principal produto financiado pelo leasing, indica ligeira recuperação das operações.
 
"Novembro foi o mês mais difícil. Houve uma recuperação em dezembro com as medidas do governo e os feirões realizados pelas montadoras", disse Cardoso. De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), os licenciamentos atingiram 194,5 mil unidades em dezembro, uma alta de 9,4% em relação a novembro.
 
Mesmo com o fraco desempenho do último trimestre, 2008 marcou o ano de consolidação do arrendamento mercantil como principal instrumento para a aquisição de veículos. O leasing era a forma de financiamento preferida em 27% das compras de automóveis por pessoas físicas no no fim de 2007. O índice superou 40% em novembro passado, com uma expansão recorde de quase 100% no ano.
 
"Foi o melhor ano para o leasing. Claro que isso veio junto com o crescimento das vendas da indústria automobilística, com a ampliação dos prazos de pagamento e a redução dos juros por meio da concorrência", explicou Cardoso.
 
O arrendamento também foi favorecido pelo menor custo depois que o governo ampliou a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), em janeiro de 2008, penalizando as operações tradicionais como o Crédito Direto ao Consumidor (CDC). Como o leasing não tinha IOF, ganhou vantagem. Os bancos voltaram a investir as fichas no arrendamento em detrimento do CDC.
 
Enquanto o saldo do leasing disparou 99% em doze meses até novembro, o CDC deve fechar o ano com recuo. Por conta desse diferencial e da necessidade de se fomentar a economia é que a Abel se colocou contra a instituição do IOF sobre as operações de leasing, criado pela Medida Provisória 449 no fim do ano passado. O imposto ainda não é cobrado. "Espero que prevaleça o bom senso. O que necessário neste ano é fomentar o consumo e o investimento e isso não vem com elevação de carga tributária".
 
O bom desempenho do leasing reavivou o otimismo das empresas do setor, mesmo com a crise tendo afetado a indústria automobilística. "Temos de olhar 2009 com mais prudência e atenção. Ainda não temos parâmetro para saber como será o ano. O primeiro semestre é sazonalmente fraco, mas não sou pessimista. Com crescimento econômico em torno de 2,5%, podemos pensar em repetir o mesmo volume de 2008", estima Cardoso.
 
"As revendas estão com promoções para reduzir os estoques. Houve uma série de medidas para irrigar o mercado, como a queda do IPI. E daqui para frente há a perspectiva de queda de taxa de juros. O que precisa agora é a retomada de confiança que é o mais difícil. Isso é o que vai levar a uma retomada".
 
A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) acredita que as vendas devam crescer em torno de 4% em 2009, podendo chegar a 2,8 milhões de unidades. Em 2008, houve um aumento de 14% na comercialização de automóveis e comerciais leves.
 
A modalidade também foi muito usada por empresas, tanto para a compra de veículos como de máquinas e equipamentos. E é justamente esse segmento que a Abel acredita que possa haver um maior crescimento. "As empresas precisam reduzir custo e aumentar a produtividade. Arriscaria que as operações com máquinas e equipamentos podem aumentar 15% neste ano".
 
Segundo Lizete Giuzio, diretora da LeasePlan, especializada em leasing operacional para frota de empresas, a condição começou a dar sinais de melhora no fim do ano passado. "O dinheiro continua caro, mas os juros cederam um pouco. Pelo menos vemos um sinal que é bom". A companhia capta recursos no mercado local para fazer frente às aquisições e enfrentou dificuldades para conseguir taxas atrativas no último trimestre de 2008.
 
Agora, a expectativa é com relação ao preço do veículo usado no mercado secundário. "O ano de 2008 foi bárbaro, mas daqui um ou dois anos, se estiver tudo bem com crédito, haverá uma enxurrada de semi-novo e queda do preço do automóvel", afirmou.
 
Vantagens começam a atrair as empresas  
    
Com o agravamento da crise internacional, o leasing operacional tem tudo para despertar o interesse das empresas. Semelhante a um aluguel, o leasing operacional dá à empresa o direito de uso do bem, sem que seja necessário comprá-lo.
 
leasing operacional é bastante comum no exterior, especialmente nos Estados Unidos e Europa, mas ainda é pouco usado no Brasil. À medida que as empresas brasileiras conhecem a modalidade, começam a pedir mais, conta Lizete Giuzio, diretora da LeasePlan, uma das maiores empresas independentes de leasing, com matriz na Holanda.
 
"O leasing operacional é um pouco difícil de vender quando se usa uma terminologia técnica, mas as vantagens ficam mais visíveis quando falamos que há uma redução de custos na administração de frota e um benefício tributário, o abatimento das contra-prestações", explicou.
 
A grande vantagem para os clientes, conta, é que a empresa que adquirir a frota por meio do arrendamento operacional não precisa se preocupar com manutenção e reparos. Como o bem continua pertencendo à arrendadora, mesmo depois do fim do contrato, todas as despesas ficam por conta da LeasePlan. Ao fim do contrato, o cliente devolve o automóvel ou o adquire pelo valor de mercado.
 
A LeasePlan encerrou o ano passado com uma carteira comercial de frota de veículos da ordem de R$ 400 milhões no Brasil e pretende continuar em expansão. "Antes da crise, esperávamos crescer cerca de 20%. Devemos crescer menos, mas ainda na casa dos dois dígitos".
 
Luiz Nali, diretor da CSI Leasing, especializada em leasing operacional de equipamentos de tecnologia, afirma que a crise atrapalhou um pouco os negócios, mas disse que a expectativa ainda é positiva. Desde 2003 no Brasil, a CSI já soma R$ 600 milhões em operações.
 
"Nossa estimativa era realizar R$ 250 milhões entre julho 2008 e junho deste ano. Até dezembro, já fizemos mais de 50% desse volume. Como os bancos estão hoje mais cuidadosos, também temos de ser", afirma Nali. "Não podemos garantir que vamos atingir a meta, mas não vai comprometer a rentabilidade da companhia. Devemos ter uma redução do volume em torno de 10%".
 
A aposta da CSI está na renovação tecnológica, necessária para muitas empresas e também uma oportunidade dentro da crise. "Além da prorrogação de contratos existentes, acreditamos que a colocação de equipamentos usados é melhor do que num cenário de expansão da economia. E esse também é o nosso negócio, o mercado secundário". (FT)

Veículo: Valor Econômico