Bancos de montadoras prevêem período difícil

Com um mês de novembro melhor que outubro, a Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) já prevê um primeiro semestre de novembro de "desafios". Levantamento da associação no mês de outubro mostra uma leve retração, de 0,7%, nas carteiras de Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e Leasing em relação a setembro. Em comparação com outubro de 2007, o crescimento foi de 31,6%, a um estoque total de R$ 136,6 bilhões em ambas as linhas de financiamento.

Segundo o presidente da entidade, Luiz Montenegro, mesmo com a "seca" na liquidez em outubro, os bancos de montadoras mantiveram taxas subsidiadas. "Agora, os vendedores independentes, sem ligação com a concessionária, também estão retomando essas taxas e planos de 60 meses. O que nos falta agora é restabelecer a confiança do consumidor, que deve voltar quando ver que seu emprego foi mantido", considera Montenegro.

Para acabar com os problemas de liquidez, tanto o Banco do Brasil como Nossa Caixa anunciaram que liberariam até R$ 4 bilhões para o setor. Do primeiro, R$ 1,6 bilhões já chegaram aos bancos, enquanto a Nossa Caixa já aprovou igual montante e liberou R$ 100 milhões.

Para ele, enquanto o primeiro semestre do próximo ano deverá ser de "ajustes na economia global", o segundo semestre deverá ser de "saída do fundo do poço". "Na segunda metade de 2009, todos os fatos já serão conhecidos e quantificados, já não deverá haver surpresas". A expectativa da Anef é que o setor, que cresceu 31% em relação a 2007, termine o ano entre 25% e 30% superior ao ano passado. A inadimplência registrada em outubro foi de 3,93% da carteira, contra 3,06% no mesmo período do ano passado. Em setembro, o índice foi de 3,83%, ganho de 0,1 ponto percentual.

Veículo: DCI Finanças 4/12/08 Estado: SP