Reservas caem abaixo de US$ 200 bilhões

Números do Banco Central (BC) mostram que as reservas internacionais brasileiras estão abaixo de US$ 200 bilhões no conceito "caixa" desde o dia 27 de outubro. O valor se refere ao patamar real das reservas e não leva em conta os dólares que o BC tem a receber nas operações de empréstimo feitas com os bancos. Esse valor é diferente do divulgado todos os dias pela autoridade monetária, que, no dado diário, inclui os dólares repassados ao mercado e que serão devolvidos ao BC em data estabelecida. Esse segundo conceito, mais amplo, é chamado de "liquidez internacional".

Conforme dados detalhados do BC, as reservas caíram US$ 1,936 bilhão em 27 de outubro, para US$ 199,591 bilhões no conceito caixa. Esse foi o primeiro dia desde a piora do cenário em meados de setembro que o montante ficou abaixo de US$ 200 bilhões. Na comparação com o último dia de setembro, o valor é US$ 6,9 bilhões menor. Naquele mesmo dia (27/10), as reservas somavam US$ 203,791 bilhões no conceito mais amplo, de liquidez internacional.

A queda das reservas no conceito caixa reflete principalmente as intervenções do BC no mercado à vista. Nessas operações, a autoridade monetária vende dólares aos bancos sem qualquer compromisso de recompra futura. A variação também reflete a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas, como os títulos da dívida norte-americana. Já as operações para o financiamento ao comércio exterior, por exemplo, não entram no conceito caixa porque os dólares repassados nessas operações retornarão ao caixa do BC em data estabelecida previamente. Nesse caso, a transação funciona como um empréstimo de dólares. Por isso, o BC continua somando essas operações às reservas no conceito amplo por se tratarem de valores que continuam sendo da autoridade monetária e retornarão futuramente ao caixa.

Compulsórios

Os bancos continuam recebendo injeção de liquidez pela liberação dos depósitos compulsórios. De acordo com números do BC, o total recolhido obrigatoriamente pelas instituições financeiras junto à autoridade monetária diminuiu R$ 3,785 bilhões apenas nos cinco primeiros dias de novembro, entre 3 e 7, para R$ 215,947 bilhões na sexta-feira passada. Desta vez, o segmento que mais contribuiu com a redução do volume recolhido foi o de depósitos à vista, cujo montante total recuou R$ 2,253 bilhões e somava R$ 49,330 bilhões na sexta-feira, 7. Outro setor com liberação de recursos foi o de depósitos interfinanceiros de empresas de leasing, que colaboraram com de R$ 1,530 bilhão nos cinco dias. No fim da semana passada, o compulsório desse segmento somava R$ 14,903 bilhões.

Por outro lado, o recolhimento compulsório em títulos aplicado sobre os depósitos de poupança aumentou R$ 202 milhões, para R$ 18,932 bilhões. A exigibilidade adicional sobre depósitos à vista, a prazo e poupança contribuiu com outros R$ 121 milhões a mais recolhidos no BC. Assim, esse item do compulsório terminou a semana com R$ 41,346 bilhões.

Veículo: DCI Política Econômica 13/11/08 Estado: SP