Caixa eleva lucro em 1.156%, para R$ 722 mi no trimestre

Crise é palavra que está fora do dicionário da Caixa Econômica Federal em 2008. O lucro líquido acumulado entre janeiro e setembro atingiu R$ 3,3 bilhões. �? um resultado 90% maior que o de igual período de 2007, que foi de R$ 1,7 bilhão. O lucro líquido entre julho e setembro deste ano foi de R$ 722 milhões, 1.156% maior que o de igual período do ano passado que foi de R$ 62,5 milhões. Como base de comparação, no mesmo período, o lucro líquido do Itaú caiu 8%.

Os dirigentes da Caixa deixaram claro que a meta é crescer ainda mais. Em outubro, a instituição deve liberar mais de R$ 4,5 bilhões de crédito para pessoas jurídicas, um recorde. A média mensal é de R$ 2,5 bilhões . "Escassez de crédito na Caixa não existe", afirmou o vice-presidente de Finanças, Márcio Percival Alves Pinto.

A presidente da Caixa, Maria Fernanda Ramos Coelho, disse que a instituição quer comprar outros bancos, como autoriza a Medida Provisória 443 e também aproveitar outras oportunidades abertas pela medida, como iniciar atuação na previdência privada e leasing. Antes da medida, a instituição não tinha autorização para essas operações.

Mesmo antes da 443, a Caixa já estava pensando em expansão das operações. Há dois meses pediu ao Banco Central autorização para atuar no financiamento a exportações. No começo do próximo ano já estará trabalhando com Adiantamento de Contratos de Câmbio (ACCs), área na qual não atuava. Quanto à compra de carteiras de outros bancos a partir da liberação de recursos do compulsório, a Caixa informa que aplicou R$ 2 bilhões, principalmente em crédito consignado. O poder de fogo da instituição para a aquisição de carteiras com recursos do compulsório é de R$ 2,7 bilhões. As compras totais do último mês chegam a R$ 2,2 bilhões, se incluídas compras de debêntures.

Os percentuais de crescimento ilustram a voracidade da instituição. Os depósitos à vista atingiram no final de setembro R$ 11,5 bilhões, alta de 29,7% em comparação a igual período do ano passado. Com isso, a instituição garantiu 10,1% de participação no mercado, encerrando o terceiro trimestre com 44,2 milhões de clientes.

Os ativos da instituição seguiram a mesma tendência. Somavam R$ 276 bilhões no final de setembro e aumentaram 15,3% na comparação com setembro de 2007. Grande destaque foi o total de operações de crédito que chegou a R$ 69,1 bilhões em setembro, um crescimento de 33% em 12 meses e de 8,8% sobre o trimestre anterior.

O vice-presidente de Controle e Risco da Caixa, Marcos Vasconcelos, ressalta que o salto no crédito deve-se ao segmento de pessoas jurídicas. Abrigou 85 mil novas empresas, enquanto outros bancos ficavam mais restritivos a concessão de crédito no último trimestre.

No acumulado do ano, o retorno sobre o patrimônio líquido da Caixa foi de 37,2%. Do total do lucro, R$ 1,5 bilhão foi encaminhado à União. A previsão para o final do ano é de aumento de 12,8% no total de depósitos à vista, 22% na caderneta de poupança, 35,5% no crédito comercial e 35,2% na habitação em relação ao desempenho do ano passado.

 

Veículo: Gazeta Mercantil Finanças & Mercados 06/11/08 Estado: SP