Brasil precisa de contadores

DIRETOR DA DIVISÃO DE AUDITORIA CONTÁBIL DA BDO BRAZIL - OESP

O ano de 2009 representou uma grande transformação no mercado de auditoria e consultoria. Foi quando teve início a adequação obrigatória ao novo padrão internacional de contabilidade, o International Financial Reporting Standard (IFRS).

Adotada pela União Europeia em 2005, a norma consiste em um conjunto de pronunciamentos de contabilidade internacionais publicados e revisados pelo International Accounting Standards Board (IASB).

Na mesma época, o Conselho Federal de Contabilidade emitiu diversas resoluções estabelecendo um novo padrão contábil para as empresas que não estavam enquadradas na Lei 11.638/07, conhecida como a Nova Lei das S/A. O objetivo desta legislação é harmonizar as regras brasileiras com as implementadas no mercado europeu. Chegou a vez de as pequenas e microempresas se adaptarem às normas internacionais.

A aplicação do IFRS elevou os níveis de transparência, pois os balanços tornaram pública a real saúde financeira e patrimonial das empresas. Além disso, a conversão das normas internacionais de relatórios financeiros permitiu às PMEs remodelar os negócios com índices reais de desempenho.

Surgiram, também, novas obrigações com o Fisco, como o Sped Contábil, Sped Fiscal e a Escrituração Fiscal Digital (EFD) do PIS e da Cofins, que tomam muito tempo ou exigem que novos profissionais sejam contratados.

No entanto, ao olharem para o lado, empresários e empreendedores se perguntaram: "Onde estão os contadores especializados?" Como as empresas passaram a necessitar de equipes mais qualificadas para atender as exigências, tornou-se evidente a carência de mão de obra. 

Estão registrados nos conselhos regionais de contabilidade 487.727 profissionais, sendo 290.208 contadores e 197.519 técnicos em contabilidade.

Ao todo, são 78.970 organizações contábeis, das quais 49.369 são formadas por escritório ou empresário individual e 29.601, representadas por sociedade.

O registro de contadores caiu 0,75% de 2010 a 2011, enquanto o de organizações cresceu 3,5%. Em 2010, havia um contabilista para cada 396 habitantes, conforme censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2007. Considerando o último censo (2010) e o número de contabilistas de 2011, temos um profissional para cada 391 habitantes.

A situação repete-se no Estado de São Paulo. São 133.848 profissionais, sendo 73.309 contadores e 60.539 técnicos contábeis registrados. Temos 19.739 organizações contábeis. Destas, 9.257 representam empresários ou escritório individual e temos um saldo de 10.482 sociedades.

Cabe ressaltar que, dos 73 mil contadores registrados, uma parcela atua como auditor, perito ou consultor sem trabalhar diretamente como contador.

Em dez faculdades paulistas pesquisadas pelo IBGE, aproximadamente 2 mil vagas para ciências contábeis são abertas por ano. Supondo que apenas 60% cheguem ao fim do curso, teremos em torno de 1.200 profissionais. Desse total, se 60% trabalharem na área, chegaremos a 720.

Como desde 2011 o setor tem o exame de suficiência para poder se registrar no Conselho Regional de Contabilidade e o índice de aprovação na última edição foi de 54%, teríamos apenas 389 pessoas aprovadas por ano.

Deste total, nem todas as pessoas tirarão o CRC ou terão o conhecimento pleno sobre as normas do IFRS. Não é possível saber ao certo quantos profissionais ingressam no mercado, mas certamente é um número insuficiente para atender à demanda que não para de crescer.

Impacto. As mudanças do IFRS transformaram a rotina dos contadores brasileiros, uma vez que as regras eram diferentes. As adaptações às normas internacionais foram feitas por meio da Lei nº 11.638/07, que atualizou a Nova Lei das S/A, e dizem respeito às demonstrações contábeis. Para que a contabilidade pudesse estar de acordo, foram introduzidos novos conceitos na legislação.

Um dos maiores desafios foi convencer os contadores de que a norma contábil é soberana e está acima da legislação tributária. Muitos contadores, especialmente aqueles que lidam com pequenas e médias empresas, tiveram ou ainda têm uma grande resistência a se adequar às normas do IFRS, pois elas alteram a forma de lançamento contábil a qual ele estava acostumado a fazer.

Veículo: O ESTADO DE SÃO PAULO